Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]





Comentários recentes

  • Anónimo

    mais um profeta da desgraça

  • António Duarte

    Para Marinho Pinto chegar a uns 15% não precisará ...

  • António Duarte

    Fico satisfeito por ver que o rapaz ainda está viv...

  • Raposo

    O que eu gostei mais da entrevista foi de saber a ...

  • Lucas

    Eu cá gostava mais das entrevistas do Serpa, reple...



subscrever feeds



MMS

23.02.13

Autoria e outros dados (tags, etc)

Amanhã em Faro... a cantar "Grândola, Vila Morena"... contra os "ladrões"!!! Vamos lá levantar da cadeira e mudar de rumo!

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

A hipocrisia sempre me irritou... demonstra muito o carácter das pessoas, infelizmente numa era de "fast-food" as pessoas nem sempre conseguem distingui-la...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Veja a notícia clicando na imagem

 

Em 2012 registou-se uma média de quase 300 novos projectos agrícolas começados por mês!! É caso para dizer que a a Escola Agrícola de Messines sucumbiu exactamente quando começou a ser necessária. 

O paradoxo é que antes havia fundos para formar agricultores e ninguém queria ser agricultor. Agora não há fundos e milhares de jovens estão dispostos a investir numa formação profissional nessa área. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Em nota de imprensa a Câmara Municipal de Silves fez saber que a revisão do PDM está na recta final. A notícia propagou-se pelos vários órgãos de comunicação social e o copy/paste imperou, como se impõe, revelando que quem escreve estas notas de imprensa é alguém… digamos… “denso” de mais para as gentes do concelho.

Atentem na nota de imprensa, com especial atenção para o parágrafo a negrito:


 

A proposta do Plano Diretor Municipal (PDM) de Silves foi concluída e apresentada para concertação técnica final às entidades que acompanham a sua elaboração.

Este processo de revisão, iniciado há cerca de três anos, deverá estar concluído em meados do corrente ano, após o decurso da fase de inquérito público e, subsequente, aprovação do plano.

Segundo a Câmara de Silves, tratou-se de um processo que, para além de denso e complexo, foi caracterizado pela participação, e que foi amadurecendo através de um amplo diálogo entre os diversos atores envolvidos – públicos e privados – consubstanciando-se, na prática, como um novo plano, um PDM de 2.ª geração, inovador e ambicioso na forma, conteúdo e alcance em relação ao PDM de 1995.

Vem, assim, materializar-se num modelo de ordenamento suportado por uma estratégia de desenvolvimento assumida e baseada num diagnóstico profundo da situação atual (em diversas escalas e âmbitos) e na clarificação de uma visão prospetiva, criando as raízes de ação do presente para um futuro desejado, assumindo, neste âmbito, desafios concretos para o desenvolvimento do concelho, materializados em vetores de ação operacionalizados no terreno através de objetivos e ações específicas.

Em simultâneo, e enquanto instrumento de ordenamento do território e desenvolvimento, visa a promoção do conhecimento, a competitividade, atratividade, centralidade e coesão territorial, bem como a sustentabilidade do processo de desenvolvimento, assente no princípio da subsidariedade e na parceria, conduzida com o envolvimento ativo dos atores do território.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

A caminho de Silves, sob o optimista céu azul algarvio, dei por mim a pensar que“nunca mais vi o Tóino!” Na verdade pouco tenho ido a Messines, ainda assim sei que o Tóino está no estrangeiro e nem no Natal cá meteu os pés. Absorto nestes pensamentos cheguei à cidade, depois de estacionar na “Nauticampo” em que se transformou o parque da zona ribeirinha, dou de caras com o Zé.

Não via o Zé desde os tempos da Secundária, desde o quiosque da Manéla no jardim em frente da escola. Nessa altura o Zé era um “activista ferrenho” do “soarismo”, enquanto eu andava indeciso entre um PS “renovado” com João Ferreira à cabeça e uma CDU comandada pela experiência de um mandato com José Viola. Já se sabe que ficou ele a rir e eu ganhei desgostos para duas décadas, foi por isso incontornável que após a conversa sobre “o que tens feito” e “como vai a família” viessem as lides políticas… e como o Zé mudou(!!!)... no que às lides políticas diz respeito…

O mote veio da SIC, da Grande Reportagem, que nos mostrou a vergonha do caso BPN na série “A Fraude”.

- Viste aquilo?! – perguntou o Zé, com o sobrolho a denunciar a indignação que sentia.

- Vi, sim senhor. – respondi eu, cauteloso, ainda sem saber se o Zé tinha lá “conta”…

- Então nem tenho que te dizer nada… a não ser que aquilo é a mesma gente que quer agora “betonizar” Armação de Pêra. – rematou o Zé deixando-me curioso.

- Como é que é?! – perguntei.

- Sim. O “universo empresarial” é o mesmo. A empresa que quer construir os hotéis na Praia Grande é um derivado da SLN e do BPN. Há-de ser mais um daqueles esquemas em que se nacionaliza o prejuízo e se mete o dinheiro a salvo para investimentos mais seguros. Mas o pior de tudo é que PS e PSD do concelho estão “mortinhos” por rebentar com a bandeira dourada e alinhar no jogo. – acusou o Zé.

- Mas isso não pode ser, o caso está a ser investigado e haverão de descobrir… - O Zé interrompeu-me:  

- És mesmo anjinho. Vai prescrever, vai ser arquivado… se até o Viga d’Ouro de Silves foi arquivado e pertencia aos “distritais”, imagina um “derby da liga dos campeões”!

- O Viga d’Ouro não deu em nada??

- Nem podia dar. A defesa de alguns arguidos, paga pelos contribuintes, foi feita por especialistas em arquivar processos complicados. Com tanto advogado na Câmara recorrer a uma firma de renome a nível nacional é puro despesismo e quer dizer uma, de duas coisas: ou se trata de um atestado de incompetência aos advogados da câmara; ou um assumir de responsabilidades no processo e procurar o mal menor que é a prescrição. – disse o Zé.

- É a justiça que temos, pelos vistos o único que saiu chamuscado disto foi o ex-vereador Manuel Ramos, que denunciou o caso. Mas voltando à betonização de que falavas… vamos ter mais um mamarracho em frente ao mar, não é verdade! – constatei.

- Outro CS, outro Amendoeiras Resort… outros 1.500 postos de trabalho que não passam dos mesmos 50 deslocados dos concelhos vizinhos. PS e PSD querem que a coisa avance por várias razões comuns… primeiro terão só em receitas fiscais 1 orçamento extra, depois os cordelinhos que comandam esses dois partidos gémeos estão a ser puxados com toda a força nos corredores da capital, finalmente temos o sector público-privado local… que há-de ter no futuro resort muito que fazer. As Águas do Algarve, por exemplo, vais ver quanto dinheiro investirá ali por conta do Estado para que depois venha uma lucrativa privatização, com todos os administradores a ganharem um belo prémio pelo feito… como é evidente. – diz o Zé, já com as veias do pescoço a ameaçarem saltar.

- Isabel Soares incluída. – experimentei eu, para ver até que ponto o Zé tinha mudado.

- Especialmente ela. Ninguém me tira da cabeça que tudo isto tem intenções claras de mais negociata às custas do contribuinte. – retorquiu ele.

- Espera ai!!! Então tu não eras o apoiante número 1 da nossa ex-presidente?!! – questionei.

- Era… mas acordei. Isto foi mau de mais. Somos um concelho imenso mas com apenas 6km de costa, apostar tudo no turismo foi uma imbecilidade, um capricho, imperdoável. Foram 16 anos perdidos, em delírio, tentando copiar, ainda por cima mal, o que os concelhos vizinhos faziam em mais costa e menos área… ninguém percebeu… foi uma orgia pegada e agora é a ressaca. – disse o Zé, fazendo cara de enjoado.

- Sim, mas isso já passou. Agora temos gente nova nos comandos. – disse.

- Não confio neles. Perdeu-se o respeito… são os filhos, os primos, os compadres, os enteados, os amigos… é tudo ao “molho” a viver do contribuinte. Até já ouvi dizer que a próxima lista às autárquicas será mais dinástica que o testamento da Rainha de Inglaterra… - ironizou o Zé.

- E o que havemos de fazer?! – perguntei.

- Não há muito a fazer. Tirando nós parece que mais ninguém liga a isto. Não tarda estão ai as autárquicas e lá vão as pessoas votar na malta do costume. Depois à noite chegam a casa e desabafam à frente da TV que os políticos são todos iguais. É assim pá, ninguém se importa, ninguém liga… preferem emigrar a meter ordem nessa gente com a única arma que nos deram, o voto. – o Zé estava agora com um ar desiludido, mas continuou. – A malta pensa pouco pá! Não se dão ao trabalho, consomem tudo o que é fácil e não pensam. Todos gostamos de ver o Miguel Sousa Tavares, o Marcelo Rebelo de Sousa, o José Gomes Ferreira, o Marques Mendes… porque pensam por nós e entregam o produto já “mastigado”. Estamos feitos pá! Condena-se um GNR por pontapear um porco e deixa-se impune um juiz que deixa prescrever processos de milhões que lesaram milhares…

- Tem calma Zé. As coisas mudam, a paciência acaba… a “novela de barriga vazia” tem muito menos graça… pode ser que venham ai mudanças. – tentei tranquilizá-lo.

- Assim espero… assim espero. Fica bem, pá! Ainda tenho que ir ao Centro de Emprego marcar o ponto e depois vou ter com um conhecido… com sorte arranja-me emprego no Luxemburgo. Reza por mim. – disse o Zé, enquanto me abraçava e se preparava para sair.

Fiquei ali uns bons quinze minutos, a pensar no que me dissera o Zé. Depois meti-me no carro e no caminho para casa dei comigo a pensar: “Tomara que o Zé encontre o Tóino, lá no Luxemburgo!”

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quando a actual direcção da União Desportiva Messinense anunciou que suspendia o futebol sénior para poder manter o clube fui dos poucos que manifestou publicamente o apoio à difícil decisão… manter os escalões jovens e a estrutura do clube enquanto se esperava por melhores tempos pareciam-me ser bons motivos.

Bem sei que o último ano foi particularmente difícil. O dinheiro não abunda e ainda por cima a CMS atrasou pagamentos para além do limite do aceitável, colocando em sérias dificuldades as associações e clubes do concelho. Mais… ao que parece a actual presidência da câmara diz que “não tem nada a ver com os compromissos assumidos pela anterior gestão”, negando o pagamento de “contas antigas”… uma vergonha.

Mas nem somando tudo isto se pode encontrar justificação para o vazio directivo que se vive no clube. O presidente parece ter abandonado o barco e a menos de 2 meses das eleições é cada vez mais forte a possibilidade de o clube morrer na praia. Muita gente anda preocupada com a situação e ninguém parece querer assumir responsabilidades, havendo já quem sugira a criação de um novo clube!

É importante fazer um esforço pela UDM, nestas alturas de dificuldade todos os ícones de uma terra são importantes para manter a união e a identidade. À atenção das forças vivas de Messines.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

 

Oficialmente nasceu hoje o MMS - Movimento MAIS SILVES... 

Os próximos 7 meses serão de intensa actividade e grande entusiasmo, com um único objectivo: colocar os silvenses a decidir o seu destino!

 

Parabéns a todos os fundadores, à Comissão Instaladora e a todos os apoiantes que nunca nos faltaram!!! Vamos fazer história!!!


PRESS RELEASE

Após meses de preparação e discussão, foi hoje formalmente constituído, no Cartório Notarial de Silves, o MMS – Movimento MAIS SILVES, um movimento independente que tem no horizonte as próximas Eleições Autárquicas, a realizar no final de 2013.

O MMS nasce da convicção de um grupo de cidadãos, das mais variadas crenças e ideologias, de que o próximo Mandato Autárquico é fundamental para a definição do que serão as próximas 5 décadas do concelho de Silves. O MMS nasce do desejo de que a população de Silves tenha uma palavra a dizer sobre o seu futuro. O MMS nasce com 5 grandes propósitos:

1 – Motivar e estimular a sociedade civil, tendo em vista a sua participação activa da vida política, cultural, social e desportiva, no concelho de Silves.

2 – Sensibilizar os cidadãos no sentido de serem mais exigentes e críticos, relativamente aos agentes políticos lembrando-lhes a necessidade imperiosa, como regra, de adoptarem os valores da ética, da transparência, do espírito de missão ao serviço da causa pública.

3 – Auscultar a população, representada ou não, pelas forças vivas, e pelos vários sectores de actividade, por forma a elaborar um diagnóstico da realidade socioeconómica do concelho, de forma precisa e concisa.

4 - Formular um plano de acção, com base no diagnóstico, que seja realista e exequível, que não venda ilusões, nem crie falsas expectativas, que identifique claramente os caminhos  a trilhar para que se possa encetar um novo modelo de desenvolvimento que mostre que Silves tem um futuro viável, restaure a esperança nos descrentes e nos mais frágeis socialmente, sendo uma lufada de ar fresco que contribua para a elevação da auto-estima dos Silvenses.

5 – Contribuir para que haja mais qualidade de vida, combatendo as formas de exclusão com base num modelo político assente na cultura do trabalho, da exigência, da responsabilidade e do mérito.

Já no próximo mês de Março o MMS convocará uma Conferência de Imprensa onde dará a conhecer os seus propósitos, o seu calendário de acções e os seus rostos.

 

Para mais informações contactar: Paulo Silva – 965450840 ou mais.silves@mail.com

Facebook: www.facebook.com/mms.silves

Twitter: www.twitter.com/mmssilves

Blog: http://mms2013.blogs.sapo.pt

Autoria e outros dados (tags, etc)




Comentários recentes

  • Anónimo

    mais um profeta da desgraça

  • António Duarte

    Para Marinho Pinto chegar a uns 15% não precisará ...

  • António Duarte

    Fico satisfeito por ver que o rapaz ainda está viv...

  • Raposo

    O que eu gostei mais da entrevista foi de saber a ...

  • Lucas

    Eu cá gostava mais das entrevistas do Serpa, reple...



subscrever feeds