Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Comentários recentes

  • Anónimo

    mais um profeta da desgraça

  • António Duarte

    Para Marinho Pinto chegar a uns 15% não precisará ...

  • António Duarte

    Fico satisfeito por ver que o rapaz ainda está viv...

  • Raposo

    O que eu gostei mais da entrevista foi de saber a ...

  • Lucas

    Eu cá gostava mais das entrevistas do Serpa, reple...





No último mês terminei o meu artigo de opinião a fazer um apelo de “coligação” a PS e PCP com vista às próximas autárquicas em Silves. Nem de propósito vem o mês de Dezembro e, aproveitando a quadra natalícia em que entramos, “coloca-nos no sapatinho” uma prenda inesperada: um novo candidato à Câmara Municipal de Silves.

 

Devo dizer-vos que recebi a notícia com entusiasmo. Não conheço o candidato, não sei quais as suas ideias ou projectos, desconheço se está nesta tarefa sozinho e nem sequer me passa pela cabeça se é de esquerda, de centro ou de direita. Nada disso me importa. Basta-me saber que está disposto, quando ainda faltam 3 anos para as eleições, a assumir publicamente o seu empenho em lutar pelo concelho de Silves e pelas suas gentes. Só isto garante desde já o meu respeito e admiração mas posso ainda juntar o facto de se tratar de alguém que já ocupou cargos bem mais importantes que aquele a que se propõe agora e o de se tratar de um jornalista de profissão, coisa que na minha bitola de análise a indivíduos lhe dá muitos pontos a favor.

 

O mediatismo que envolveu o anúncio da candidatura de Carneiro Jacinto demonstra que PS e PCP tem concorrente a sério mas, ao mesmo tempo, deixa Isabel Soares a “esfregar” as mãos de contente. Com os votos contra divididos por PS, PCP, BE, PP e, ao que tudo indica, uma lista independente, bastam-lhe uns “20 autocarros de excursão” para renovar o mandato e continuar a “obra” por mais 4 anos. O que vale é que nem sempre o que parece é e, estou convencido, os próximos tempos vão ser férteis em acontecimentos e movimentações politicas.

 

O tempo que falta até às eleições é precioso. Todos sabemos que em Portugal o comodismo reinante e a tradição democrática vigente tornam difícil, quase impossível, “destronar” um autarca em funções. Ainda para mais um que não hesita em usar dinheiros públicos para fazer propaganda (não julguem que me esqueço dos “outdoors” a anunciar projectos camarários a 1 mês das eleições) e “carregar” os eleitores até à urna. É preciso que se unam esforços desde já para, pelo menos, agitar consciências. O novo candidato Carneiro Jacinto parece disposto a isso, o PCP Silves tem estado empenhadíssimo nisso, o PS Silves… bem… por muito que me custe, o PS Silves é uma espécie de “Urso Polar” que logo após um qualquer acto eleitoral hiberna até ao próximo, mantendo apenas os serviços mínimos essenciais a garantir que tudo ficará na mesma. Vamos ver se o “Urso” desta vez acorda mais cedo, limpa a “caverna” e deita mãos à obra…Silves precisa de todos.

 

Estranham alguns dos meus amigos o facto de ainda não ter tocado no “caso Viga d’ Ouro”. A verdade é que este caso tem muitas parecenças com o caso Fátima Felgueiras e todo o cuidado é pouco para evitar que o resultado seja o mesmo. A fronteira que separa um “presidente odioso” de um “mártir da pátria” é muito ténue e o “populismo” é algo que me assusta. As imagens que nos chegaram de Felgueiras e Oeiras mostravam-nos pessoas em transe capazes de matar para proteger os “seus presidentes” e eu pergunto: O que pode um presidente de Câmara fazer para justificar isto? Não será mau levar os destinos de uma autarquia do campo racional para o patamar de um Benfica vs Sporting?!

Acho que é bem melhor para todos nós que não se criem “paixões” em torno deste caso. Não gostaria de ver pessoas a acusar “cegamente” a presidente, nem tão pouco pessoas a defendê-la sem tão pouco perceberem de que é acusada.

 

Seja qual for o destino que o futuro nos reserva apenas vou dizendo que – daqui a 3, a 7 ou a 10 anos - quem suceder Isabel Soares na Câmara de Silves irá deparar-se com um “dilema”: -“Tenta” cumprir o Programa Eleitoral que apresentou e no final dos 4 anos sai porque deixou a Câmara pior do que estava, ou passa 4 anos a recuperar financeiramente a autarquia e no final sai porque não apresentou obra visível. O dilema vai ser escolher como perder as eleições seguintes.

 

Posto isto deixemo-nos de “politiquices” que o tempo não é para isso. Quero desejar um Feliz Natal aos meus amigos, a todos os leitores do Terra Ruiva e também a todos os meus inimigos. Espero que esta quadra sirva para descansar, meditar e reconfortar o espírito com a presença das nossas famílias e amigos. Fiquem bem.

 

In "Jornal Terra Ruiva" - Dezembro de 2006

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Carlos Neto a 04.01.2007 às 18:22

Os três anos são de facto pouco tempo. Mas será que não são tempo suficiente para que a belinha (escrevo o diminutivo em minúsculas porque me parece justo) consiga safar-se?
Em Portugal as pessoas esquecem depressa e parece-me que toda a oposição está eufórica demais - quando se vai com muita sede ao pote...
Imagem de perfil

De Paulo Silva a 05.01.2007 às 15:08

Já me ocorreu que isso pudesse acontecer mas como sou um pouco sonhador deixe-me acreditar que estes 3 anos vão passar depressa e no final as coisas ficarão mehores.
Obrigado pela participação.

Comentar post





Comentários recentes

  • Anónimo

    mais um profeta da desgraça

  • António Duarte

    Para Marinho Pinto chegar a uns 15% não precisará ...

  • António Duarte

    Fico satisfeito por ver que o rapaz ainda está viv...

  • Raposo

    O que eu gostei mais da entrevista foi de saber a ...

  • Lucas

    Eu cá gostava mais das entrevistas do Serpa, reple...