Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]





Comentários recentes

  • Anónimo

    mais um profeta da desgraça

  • António Duarte

    Para Marinho Pinto chegar a uns 15% não precisará ...

  • António Duarte

    Fico satisfeito por ver que o rapaz ainda está viv...

  • Raposo

    O que eu gostei mais da entrevista foi de saber a ...

  • Lucas

    Eu cá gostava mais das entrevistas do Serpa, reple...





Por motivos profissionais não consegui colocar este post a tempo. Deveria ser “postado” a 14 de Novembro. Fica, no entanto, a lembrança.

 


 

A 14 de Novembro de 1994 saia para a rua o Nº1 de “O Estravanca”, o Boletim Informativo da Casa do Povo de São Bartolomeu de Messines. O projecto foi apadrinhado pela direcção da Casa do Povo mas desde a primeira hora teve “carta-branca” para se afirmar como um espaço de liberdade, criatividade e informação local.

 

Tive a honra de participar nesta aventura desde a primeira hora. Lembro-me bem da azáfama das primeiras edições, feitas com tesoura e cola a partir de folhas impressas em máquinas impressoras de “fita”, e copiadas na sede da Junta de Freguesia durante horas e horas. Lembro-me bem do entusiasmo com que distribuíamos os exemplares pela freguesia… como se transportássemos algo valiosíssimo.

Durante anos “O Estravanca” teve o contributo gratuito de dezenas de colaboradores. Gente desinteressada que ajudava a tornar realidade o Boletim. Com as novas tecnologias o seu aspecto melhorou e ficou mais fácil colocar os 1.000 exemplares de cada edição (no mínimo 500) na rua. Ainda assim respeito imenso quem faz este tipo de coisas porque sei o trabalho que dá. Recordo as noites longas passadas na companhia da Lúcia Neto, do Manuel de Sousa, do Pedro Mascarenhas, do João Alberto, do António Jorge Mendes, do Paulo Neves ou do Carlos Massapina (entre outros) a ultimar a próxima edição. O que é certo é que eram noites divertidas.

Rubricas como as “Crónicas do Jaquim Estravanca”, os Prémios d”O Estravanca” ou o “O Estravanca estava lá” davam-nos imenso gozo a fazer. É bom passados todos estes anos falar com pessoas que recordam com saudades os bons momentos do projecto. Deixo aqui a minha homenagem a todos os que participaram no Boletim, a todos os que gostavam de o ler e à Casa do Povo de Messines por nos ter proporcionado tão bons momentos. Foi um verdadeiro prazer. Foi há 16 anos que saiu o número 1. Parabéns.

 

Fica aqui também a primeira ficha técnica do Boletim:

Autoria e outros dados (tags, etc)





Comentários recentes

  • Anónimo

    mais um profeta da desgraça

  • António Duarte

    Para Marinho Pinto chegar a uns 15% não precisará ...

  • António Duarte

    Fico satisfeito por ver que o rapaz ainda está viv...

  • Raposo

    O que eu gostei mais da entrevista foi de saber a ...

  • Lucas

    Eu cá gostava mais das entrevistas do Serpa, reple...