Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Comentários recentes

  • Anónimo

    mais um profeta da desgraça

  • António Duarte

    Para Marinho Pinto chegar a uns 15% não precisará ...

  • António Duarte

    Fico satisfeito por ver que o rapaz ainda está viv...

  • Raposo

    O que eu gostei mais da entrevista foi de saber a ...

  • Lucas

    Eu cá gostava mais das entrevistas do Serpa, reple...





 

Levo tantos anos a escrever neste jornal e é precisamente num curto período de ausência que tudo acontece neste concelho! Não é justo. Se tivesse a mania das grandezas era “gajo” para dizer que estiveram a ver se me distraia para “fazê-las”.

E passo a enumerar: 1. O PS escolhe Fernando Serpa como candidato à Câmara Municipal de Silves. 2. Isabel Soares cede o seu lugar na presidência a Rogério Pinto. 3. Isabel Soares assume um cargo na Administração das Águas do Algarve. 4. Após indecisão política local, Silves vê extintas 2 das suas 8 freguesias. Uma canseira… só faltou venderem o Castelo ao Grupo Pestana!

Sobre o ponto primeiro, pouco a dizer. Era esperado, é despropositado, estava cozinhado e tem tudo para dar… errado. O PS não soube ver que era altura de trazer sangue novo, projectos novos, energia… vai dai, apresenta como “alternativa” quem durante 16 anos colaborou com todas as políticas e erros que afundaram o concelho, na esperança que 2 anos a “assobiar para o lado” e a dizer “não tive nada a ver com isto” sejam suficientes para apagar da memória dos silvenses toda a procrastinação passada. Ainda assim os socialistas do concelho têm razões para estar empolgados. O candidato não ajuda, mas o fim de ciclo no PSD local e o, mais que certo, “puxão de orelhas” ao Governo nas próximas autárquicas permitem sonhar.

Sobre o ponto dois… uma desilusão. Senti-me defraudado. Eu sempre esperei uma cerimónia de sucessão digna das melhores “cortes europeias”, com uma semana de festa, a cidade engalanada, acontecimentos culturais, discursos, inaugurações, fogo-de-artifício e um final apoteótico, com Isabel Soares a chorar em cima do palco e o povo em pranto cá em baixo a despedir-se. O que tivemos foi uma diminuta nota na imprensa a dizer que já não tínhamos presidente e um grande Tornado, que devastou a cidade de Silves, a dizer “habemus” presidente… não fosse isso e, estou convencido, muitos silvenses ainda hoje se julgariam “órfãos de cacique”.

E chegamos ao ponto três. As Águas do Algarve, essa Meca do “tacho e do job”, necessitava de “experiência” nos seus quadros administrativos e escolheu Isabel Soares para o cargo. Alguns, seguramente pouco informados, alegam que a nomeação foi consequência da “amizade íntima” entre a ex-presidente e o “Sr” Miguel Relvas, com o objectivo de… premiar a lealdade (diz que o preço da lealdade está a 4.500 euros por mês e um BMW…) e ao mesmo tempo abrir caminho a Rogério Pinto, para assim ganhar vantagem na corrida autárquica de 2013. Eu, como não sou “anjinho”, vou mais pela da “experiência” (não tarda ainda dizem que foi Relvas quem “encomendou” o Tornado), e quem me dera ter a experiência para levar avante um dos meus projectos: a “Ar de Portugal”, uma empresa que venderia ar aos portugueses. A coisa era simples: mediam-se as caixas torácicas de cada cidadão, calculavam-se os m3 que consumia (se praticasse desporto levava com um agravamento do preço e se fumasse levava com uma taxa de poluição) e mandava-se a factura todos os meses. Se não pagasse… cortava-se o ar! Como é óbvio o Estado pagaria toda a logística e depois entregava-me a dura tarefa de cobrar os dividendos. Fica a ideia, até porque daqui a 12 anos há-de ser necessário “alojar” mais uma “carrada” de presidentes de câmara e eu estou disponível para os receber se me derem a concessão.

E finalmente o ponto quarto. Quem mora na Aldeia Ruiva, “bairro” que fica numa das extremidades da vila de Messines, e se quer deslocar à Junta de Freguesia local terá que percorrer uma distância superior àquela que separa a Junta de Freguesia de Pêra da de Alcantarilha… talvez por isso o Governo tenha optado por agregá-las numa só, tal como Algoz e Tunes. Como é evidente todos somos a favor de poupar na despesa do Estado… desde que não nos toque essa poupança. É claro que a Junta faz falta, mas a verdade é que faz mais falta a uns do que a outros e é preciso tomar opções. Com medo de se queimarem as forças políticas do concelho votaram em bloco sob o lema: “Manter tudo na mesma”… e esperar resultados diferentes! A coragem, a visão e a estratégia no seu expoente máximo… e aplicada por igual por PS, PSD e CDU.

Quando foi criado o actual mapa autárquico, e já tem mais de 100 anos, as pessoas deslocavam-se de burro, comunicavam por carta (as poucas que sabiam escrever) e necessitavam como do pão para a boca da proximidade de uma entidade como a Junta de Freguesia. Hoje a maioria das Juntas pouco mais faz do que gerir o cemitério e alimentar os egos políticos de malta na pré-reforma. Com a facilidade de transporte, com as ferramentas de comunicação existentes, com cada vez mais serviços disponíveis através da Internet ou do telefone há muitas Juntas que se assemelham demasiado com um “brinquedo” muito caro que funciona com “pilhas” também elas muito caras. E digo caro não só pelo que custam directamente, mas sobretudo pelos custos indirectos com as questões de, digamos, “igualdade saloia”… um campo de futebol para cada freguesia, um lar de terceira idade para cada freguesia, uma cresce para cada freguesia, uma carrinha nova para cada freguesia… mesmo que não hajam jogadores, velhos, crianças ou passageiros em quantidade suficiente. Igualdade é igualdade e se “Monte Abaixo” tem, “Monte Acima” também tem que ter.

PS. Quero prestar a minha homenagem ao grande messinense e colaborador deste jornal Silvério Martins, que nos deixou recentemente. Deixa saudades pela amizade com que sempre me tratou, pelo muito que me ensinou e pelo exemplo que foi. Um grande abraço ao Francisco, o seu filho.

In: Terra Ruiva - Janeiro de 2013

Autoria e outros dados (tags, etc)

Andava aqui a "vasculhar" nos arquivos do blog e encontro este texto, publicado a 15 de Janeiro deste ano...


Até final do mês as nomeações por parte do Governo irão incidir sobre as diversas empresas e concessionárias do Grupo Águas de Portugal. Dezenas de novos administradores irão ser nomeados e já todos percebemos que os critérios dessas nomeações serão 5:

  1. Cartão de militante do PSD ou CDS
  2. Apoio prestado à coligação PSD/CDS na “tomada do poder”
  3. Interesse político do PSD/CDS
  4. Afastamento e silenciamento de “problemáticos”
  5. Interesse do Estado Português

Não me espantaria por isso que, cá pelo Algarve, assistíssemos à “colocação” de uns quantos presidentes de câmara e notáveis da coligação de governo nas suas “cadeiras de sonho”.

Assim de repente lembro-me de Mendes Bota (que estranhamente ou não se calou na questão das portagens) e de… Isabel Soares, que supera com distinção os primeiros 4 dos 5 critérios de nomeação. É militante. Apesar de ter apostado no “cavalo errado” durante as eleições internas, rapidamente corrigiu a “rota”. Interessa ao PSD colocar outra pessoa nos comandos da autarquia para facilitar a missão das próximas autárquicas. Tem à perna alguns processos “chatos” que se esvaziariam em mediatismo se passasse a ser uma anónima administradora de empresa. Apenas não reúne o último critério… mas isso não importa nada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

E ai está!! Uma semana depois de Isabel Soares tomar posse nas Águas do Algarve:

Cá está "toda a sua experiência" em prol do cidadão. Pode ser coincidência, mas não deixa de ser simbólico!

Autoria e outros dados (tags, etc)

E já é oficial: Rogério Pinto é o novo Presidente da Câmara Municipal de Silves. O ilustre armacenense sucede assim a Isabel Soares que vai para um “período de férias” nas Águas do Algarve, onde “vogalizará”… coisa que desde já me deixa curioso, sabendo eu os dotes retóricos da ex-presidente.

A nomeação de Isabel Soares foi aprovada por unanimidade de todos os presidentes de Câmara do Algarve. Como é evidente… todos eles aspiram a um lugar semelhante no futuro e a falta de vergonha é tão grande que outra posição seria uma estrondosa surpresa.

Para trás fica um concelho falido, processos judiciais em curso, suspeitas gravíssimas de dolo, a ausência de qualquer estratégia de desenvolvimento, dívidas assombrosas a freguesias, bancos e fornecedores, uma gestão autocrática que secou tudo à sua volta e centenas de boys e girls inúteis nos quadros de pessoal da autarquia. Toda esta experiência e sapiência estará agora ao serviço das Águas do Algarve, empresa que vende… água, um bem público. Estejamos pois preparados.

É curioso que a “experiência” autárquica seja evocada como um dos factores que levou à escolha de Isabel Soares para o cargo. Tenho sempre alguma dificuldade em engolir esta da experiência como argumento para se contratar alguém. Tenho aliás uma experiência que testemunha bem o que vale a experiência:

Nos finais de 2009 fui convidado para dar uma palestra para cerca de 200 empresários do ramo imobiliário em Telavive. No dia da palestra tinha à minha espera dois tradutores experientes, um brasileiro de 60 anos que já vivia há mais de 40 em Isarel e um israelita de 50 e muitos anos que era professor de português numa universidade local. De imediato se apresentaram dizendo que faziam traduções há muito tempo, já tinham traduzido para Lula da Silva, Mário Soares, Cavaco Silva, José Eduardo dos Santos e muitos outros. Fiquei tranquilo. Quando a palestra começou percebi de imediato que as coisas não estavam a correr bem. Bastava olhar para as caras das pessoas para entender que aquilo que os dois senhores lhes estavam a “sussurrar” aos ouvidos não fazia sentido. Passados 20 minutos o responsável pelo evento interrompeu os trabalhos e perguntou-me se podia continuar em inglês. Disse-lhe que sim e de imediato ele dispensou os dois “craques”. Um novo tradutor, da casa, traduziu para as duas dezenas que não falavam inglês e a coisa correu muito bem.

Correu tão bem que, dois meses depois, tive um novo convite para uma nova palestra, desta vez na Turquia. Cheguei um dia antes ao local do evento, a linda cidade de Sapanca, a meio caminho entre Istambul e Ancara, tinha à minha espera um turco que humildemente reconheceu não ter experiência em traduções. Era casado com uma brasileira, falava bem português, mas a única experiência que tinha foi a de ser tradutor do futebolista Roberto Carlos na sua passagem pelo Besiktas (sei agora que é também tradutor de muitos portugueses que estão no Besiktas). Durante mais de 10 horas estivemos juntos a trabalhar, a preparar-nos, a acertar significados, a conhecermo-nos. No dia seguinte a palestra correu muito bem. Apesar de no início o tradutor estar um pouco nervoso por estar a falar para tanta gente, rapidamente lhe passou e no final todos lhe elogiaram o trabalho.

Esta é uma história que reforça a minha teoria. De nada serve ter experiência num mundo que muda a uma velocidade vertiginosa. É preferível ter a competência e a noção de que temos que nos preparar muito bem, nunca confiando naquilo que já conhecemos. Darwin dizia: “a espécie que sobrevive não é a mais forte nem a mais inteligente… é aquela que melhor se adapta.” Eu acredito nisso e não tenho dúvidas nenhumas que grande parte dos problemas deste país devem-se à “experiência” e vícios da nossa classe política, muita dela criada em “aviários” para com muita “experiência” servir a nação.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Há muito que esperava pelo momento em que a Câmara Municipal de Silves deixasse de ser “governada” pela actual Presidente de Câmara. Esse momento acontecerá já no dia 5 de Novembro, altura em que a Dra. Isabel Soares será nomeada a nova Vogal do Conselho de Administração das Águas do Algarve e terá por fim a “reforma dourada” que sempre ambicionou.

Acredito que Silves ficará muito melhor nas mãos do vice Rogério Pinto, saiba ele distanciar-se do séquito e herança deixada por Isabel Soares. Tem pela frente menos de um ano e logo se verá a estratégia que irá adoptar: ou começa de imediato campanha eleitoral, deixando-se embrenhar no viscoso patameiro político silvense; ou demarca primeiro o seu território introduzindo de imediato mudanças visíveis ao nível da gestão no concelho.

Sobre a Presidente cessante, que tenha muita sorte a “vogalizar” nas Águas do Algarve, que aproveite o gordo salário e mordomias que o cargo lhe vai proporcionar. Esta é a recompensa que se dá em Portugal a quem destruiu um concelho, custou milhões aos contribuintes, deixa para trás muitas contas por pagar e processos judiciais à espera de prescrever. Não admira por isso que outros “escroques” olhem com água na boca para o cargo que agora fica vago.


Isabel Soares deixa autarquia de Silves

 

É já dada como certa a transferência de Isabel Soares, atual presidente da Câmara de Silves, para a empresa Águas do Algarve. 
Na sua edição de 30 de outubro, o Correio da Manhã adianta que Isabel Soares irá receber um vencimento na ordem dos "4500 euros ( salário, ajudas e subsídios)", além de ter "direito a um BMW 318TD" e a poder "gastar cerca de 2000 euros por ano em telemóvel". 
A confirmação da tomada de posse de Isabel Soares nas suas novas funções deve ocorrer no dia 5 de novembro, mas oficialmente ainda nada foi transmitido quer pela ainda autarca, quer pela autarquia.
Recorde-se que, ao Terra Ruiva, a presidente da Câmara de Silves admitiu ter sido "sondada" para um cargo nas Águas do Algarve, mas que "nada estava ainda definido". 
Com a saída de Isabel Soares da presidência do município de Silves, o cargo será assumido por Rogério Pinto, atual vice-presidente que "herdará" uma autarquia com graves problemas financeiros e estruturais. 
Na comunicação social regional tem-se dado também atenção à saída de Desidério Silva, que saiu da presidência da Câmara de Albufeira para a Entidade Regional de Turismo do Algarve, em condições salariais semelhantes às de Isabel Soares. Em comum, nota ainda a imprensa, destaca-se o facto de serem ambos autarcas do PSD que não podiam voltar a recandidatar-se e que deixam atrás de si autarquias com sérios problemas financeiros.

In. Terra Ruiva online

Autoria e outros dados (tags, etc)

Anjinhos

21.09.12

Uma coisa que me surpreende é que, apesar de tudo o que vivemos nas últimas três décadas, continuamos a ser “anjinhos”! Leio na primeira página do “Terra Ruiva” que “Praia Grande chega a Cavaco Silva” e, apesar de compreender perfeitamente a posição de um jornalista perante esta situação, não posso deixar de pensar que, entre os leitores, uma grande quantidade de “almas” irão dormir mais descansadas na esperança de que o Sr. Presidente da República tome o partido da inviabilização daquele atentado.

Não é que queira retirar a essas “almas” a esperança, mas só a falta de informação e a ingenuidade justificam que alguém neste concelho acredite numa solução vinda de Cavaco Silva. O projecto que ali nascerá (a não ser que uma nova revolução aconteça) é uma verdade mais absoluta do que a matemática. A empresa por trás do projecto emana do BPN e conta com a liquidez que os 4.8 mil milhões de euros dos contribuintes lá injectaram. O BPN, esse mesmo banco que deu a Cavaco o conhecido “jackpot” e muito provavelmente outros ainda maiores que não conhecemos. O mesmo BPN que teve nos seus quadros praticamente toda a geração de políticos que rodearam Cavaco nos seus dourados anos do betão e dos CCB’s. Provavelmente Cavaco até terá comissão no projecto.

Já sabemos que Isabel Soares, Rogério Pinto e Fernando Serpa vêem inegáveis qualidades no projecto e tudo farão para que vá em frente. Não pelo emprego, não pelo concelho… mas sim porque estão em jogo 30.000.000 de euros de taxas e licenças que a autarquia arrecadará. Com esse dinheiro (o equivalente a mais de 1 ano de receitas do concelho) este tipo de políticos, que nos trouxe a este estado de coisas, manterá o poder, o séquito, o concelho a viver acima das suas possibilidades sem nada produzir, sem ter que mexer uma palha ou ter uma ideia… e no final sairão com o bolso cheio directamente para a administração da Algar, da Docapesca, das Águas do Algarve ou doutro qualquer sorvedouro pago pelos contribuintes.

Para eles tanto lhes dá se o destruímos o património natural, se liquidamos as aspirações das gerações futuras, se concordamos ou não. O importante são as suas carreiras, os seus partidos e as suas ligações com os poderosos… A nossa história recente tem sido a repetição desta cassete.

Seria interessante perceber a posição do PCP e do BE (desde já me disponibilizo para aqui divulgar essas posições, caso queiram enviá-las para paulo.silva5@sapo.pt ) e ver se, enquanto eleitores temos quem nos defenda. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

Parece que a famosa “sucessão ao trono” de Silves vai mesmo acontecer. E vai ser nas nossas barbas, com todo o descaramento que sempre caracterizou a déspota que nos governa.

Não é novidade para ninguém que o mérito, o currículo ou a seriedade (e agora até as habilitações académicas) são apenas importantes para apregoar em campanha eleitoral. Uma vez no poder essas características são imediatamente arrumadas a favor do compadrio, das amizades e dos interesses pessoais. Mais uma vez assim será.

A caminho da ALGAR, a caminho de uma “cadeira dourada” e de um dos maiores “sorvedouros” deste país, está a Dra. Isabel Soares… como “prémio” por ter levado à ruína um concelho com um potencial enorme. Tal distinção deve-se a 2 factores, não sendo possível afirmar qual o mais preponderante: o cartão de militante PSD e a cumplicidade com o Sr. Relvas, o ministro das negociatas e jogadas obscuras.

Com a justiça “à perna”, com indícios evidentes de gestão danosa, com um passado lastimável, com uma personalidade irascível, a Dra. Isabel Soares parece reunir todos os requisitos para ser presidente da ALGAR… e nós teremos que aceitar.

A sua ida para o milionário posto deixará o Dr. Rogério Pinto como Presidente da Câmara para o que resta do mandato. Assim poderá ganhar algum avanço “à concorrência” e marcar as suas diferenças tendo o “aparelho camarário” e partidário à sua disposição. Escusado será dizer que juntas de freguesia e associações do concelho apenas receberão o dinheiro em atraso depois de consumada a “sucessão”… criando-se de imediato a ilusão de que com Rogério Pinto tudo será diferente.

A recente aparição da presidente e do seu vice na vergonhosa “inauguração” de uma Escola com 13 anos em Alcoutim já deverá ter a ver com o processo em curso… todas as oportunidades de aparecer devem ser levadas em conta… provavelmente até iremos assistir a uma 3ª inauguração do Teatro Mascarenhas Gregório, a uma 2ª inauguração do Museu do Traje e por ai fora…

Como em tudo na vida a chegada de Rogério Pinto poderá ter duas leituras: ou mais do mesmo, ou uma oportunidade de o PSD começar a reparar todo o mal que fez a este concelho. A mim parece-me que o estilo autocrata de Isabel Soares limita todos à sua volta, pelo que poderemos ter em Rogério Pinto alguém com potencial e vontade para mudar… vamos ver se muda o estilo ou apenas a decoração do gabinete.

Autoria e outros dados (tags, etc)

TIC, TAC

14.09.12

Queres ver que o amigo Relvas patina antes de conseguir meter Isabel Soares na ALGAR!!!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Minudências...

20.07.12

“Quem ainda manda no PS de Silves” divulgou hoje no seu blog uma daquelas informações que eu pessoalmente ansiava por saber. No que diz respeito à dicotomia dinheiros/ políticos silvenses sempre existiram 3 coisas que me inquietaram. Aquela que agora se descobre é quanto custa ao erário público manter aparentemente (juridicamente) séria a Presidente. As outras duas (que receio bem nunca vir a descobrir) são:

1- Quanto terá custado, e quem pagou, aquela edição especial da Voz de Silves (aquela em que Lisete Romão se proclamou candidata às últimas eleições), distribuída porta-a-porta, com uma tiragem maior que o Borda d’Água, que saiu para a rua antes de ser público quem era o candidato do PS a Silves. Perdoem-me a lembrança, mas é como é… uma curiosidade intrínseca.

2- Ao longo destes 15 anos de vereação quanto já facturou o “agora denunciante” em serviços prestados, a clientes particulares, que de uma forma directa envolvessem a CMS e a informação política de que dispõe? Esta é outra que me deixa… desassossegado. Quiçá isso venha a ser revelado, à boa maneira do político sério e transparente que por ali germina, e eu tenha que engolir mais esta… oxalá.

Mas voltando à revelação, que só temos a agradecer (justiça seja feita a vereação do PS lutou bastante por este documento)… ficamos a saber que já lá vai meio milhão de euros em pagamentos a advogados para defender a CMS e a sua presidente das “contingências” da governação. E isto fora os advogados que trabalham directamente para o município, e que se ocupam de… “minudências”.

Em 15 anos de governação a “despesa” chega aos € 2.500 por mês, o que se poderia fazer com esse dinheiro? Bem, nas mãos de um bom presidente daria para fazer uma escola, para dar melhores condições aos nossos idosos, para investir em cultura ou em desporto. Mesmo nas mãos de um mau presidente a coisa daria para contratar mais 5 pessoas, para abrir mais um museu ou para fazer 10 rotundas.


Parece que o tal meio milhão de euros apenas diz respeito ao último mandato... aquele que está em curso. São por isso 32 meses o que atira a verba para uns hilariantes € 15.000 por mês! Além do ordenado, das despesas de representação, do séquito pessoal... a presidente ainda custa mais € 15.000/mês em serviços jurídicos!!! Nem o "camarada" Isaltino...

Autoria e outros dados (tags, etc)

“Nos idos” de Novembro do ano de 2007 uma Reunião de Câmara realizada em Silves aprovou aquilo que agora está no chamado “ponto de não retorno”: o Plano de Pormenor da Praia Grande. Nessa altura os votos favoráveis do PSD, a abstenção da CDU (representada pelo meu estimado amigo Manuel Ramos, a quem desafio a comentar este post) e os votos contra do PS (com Lisete Romão e Fernando Serpa na “trincheira”) viabilizaram a urbanização massiva de um dos poucos locais do Algarve onde ainda reside alguma da verdadeira essência desta região. Já nem falo das questões ambientais, sabendo nós que a Lagoa dos Salgados é internacionalmente conhecida como um santuário da natureza, falo apenas das questões culturais e sociais que atingem os algarvios.

Em suma, usando a ironia, o projecto que aquelas almas aprovaram tratava-se de abdicar de uma reserva natural, algo em que “somos excedentários no Algarve”, para viabilizar 8 novos empreendimentos turísticos numa área de 270 hectares de dunas e zonas húmidas. Como todos sabemos a solução para as taxas médias de ocupação no Algarve, que rondam os 50%, só pode passar por mais hotéis… adoptando uma lógica que me arrepia: “que se lixem os hoteleiros do concelho vizinho, eles podem ter menos desde que nós tenhamos mais”. Vamos longe!

Como em todos os casos do género “PIN” este foi empacotado usando o sempre lustroso papel de embrulho chamado “criação de emprego”. Ao todo anunciavam-se mais de 1.500 novos postos de trabalho. Todos nós conhecemos o rigor destes números. Aliás, se todas as projecções de criação de emprego feitas desde a década de 90 fossem concretizadas… Portugal teria 10.000.000 de empregados, sem precisar de uma única PME. As empresas que fazem estas projecções são seguramente as mesmas que fornecem os dados para viabilizar coisas como a A13, a A41 ou a CREP.

Voltando à Praia Grande… lendo esta acta (clique aqui) fico com a ideia de que todos caíram como uns patinhos. Não entendo a abstenção da CDU e muito menos entendo o voto contra do PS quando se percebe que a única razão invocada para votar contra foi a protecção dos interesses dos proprietários dos terrenos!!! Importam-se de explicar?!

É claro que nestes 5 anos o Dr. Serpa já deve ter visto “inegáveis vantagens” neste projecto (da mesma forma que os promotores já devem ter reconhecido “o seu valor político”, numa antecipação das próximas eleições… “it’s business”)… as suas últimas posições conhecidas vão nesse sentido. O próprio promotor tem “escarrapachado” no seu sítio online a “orgulhosa viabilização do projecto”… na euforia até deixa escapar algo que a mim me preocupa por antecipação: “…o futuro resort terá 3Km de praias privadas…”. Podem ver o “print-screen” na imagem abaixo (pode ver aqui também):

 

 

 

Julgava eu que praias privadas era algo “inconstitucional”?!!! Ajuda-me Cavaco!! Se eles já vêm com “tamanha sede ao pote” palpita-me que ainda vamos pagar portagem para ir de Albufeira a Armação de Pêra sem passar pela EN 125!

 

Aproveitem e consultem aqui alguns dados que ajudam a entender a posição destes oportunistas que nos Governam, e que insistem em imaginar um o Mundo movido a "consumo e hotéis" no médio/longo-prazo!!! Ohhh gente pequena e ignorante! No médio prazo mais pessoas viriam à Praia Grande ver as aves e as dunas do que as que virão ver cimento e piscinas!


Post Scriptum:

- Deixo aqui a tomada de posição do PCP sobre este tema (clique aqui). Agardeço ao Manuel Ramos pela sinceridade e integridade.

- E aqui a prova de que para o PS de Silves apenas conta a defesa dos proprietários dos terrenos (clique aqui). Ainda gostava de saber quem são os advogados que os representam?!!!!!!! Será mais um caso do partido ao serviço da clientela?!!!

Autoria e outros dados (tags, etc)




Comentários recentes

  • Anónimo

    mais um profeta da desgraça

  • António Duarte

    Para Marinho Pinto chegar a uns 15% não precisará ...

  • António Duarte

    Fico satisfeito por ver que o rapaz ainda está viv...

  • Raposo

    O que eu gostei mais da entrevista foi de saber a ...

  • Lucas

    Eu cá gostava mais das entrevistas do Serpa, reple...