Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Comentários recentes

  • Anónimo

    Tem o PDF do livro?

  • Anónimo

    mais um profeta da desgraça

  • António Duarte

    Para Marinho Pinto chegar a uns 15% não precisará ...

  • António Duarte

    Fico satisfeito por ver que o rapaz ainda está viv...

  • Raposo

    O que eu gostei mais da entrevista foi de saber a ...



subscrever feeds



 

25 de Março de 2007 ficará para a história de Portugal como o dia em que Salazar foi eleito o “maior português de sempre”. Em muitas casas deste país portugueses foram para a cama com um “nó na garganta” e com uma pergunta a bater-lhes na cabeça a cada 15 segundos: Que merda de país é este em que vivo?!!

 

Não vivi esses tempos mas deles tenho os estudos e conhecimento suficientes para abominar a ideia.

 

Mais grave ainda foi que, juntos, Salazar e Cunhal conseguissem 70% das preferências dos votantes! Sabe-se lá o que quererá dizer isto?! Sabe-se apenas que dois “tipos” que “cuspiam” na democracia foram “democraticamente eleitos” como os “Maiores Portugueses de Sempre”. Ironia suprema ou sinal de alarme sério para a nossa classe politica?!!

 

Está aberto o terreno para que surja na cena politica um Le Pen à portuguesa… É só esperar.

Fiquem com um texto de Miguel Gaspar, do DN, a 27 do mês passado...

Salazar


Miguel Gaspar
Para uns, trata-se de um concurso de televisão que não merece atenção. Para outros, é um cenário de pesadelo imaginar que na televisão pública do Portugal democrático o povo possa vir a eleger Salazar como o maior português de sempre. Estou entre os primeiros: não só porque um concurso é um concurso, mas também porque uma votação na Internet é uma votação na Internet: pode ser facilmente manipulada e não é representativa da população. Vale apenas como curiosidade.

O mesmo não se pode dizer dos efeitos que essa votação está a provocar. Da motivação de algumas parcelas do eleitorado televisivo para fazer crescer as votações em Salazar ou em Álvaro Cunhal para ganhar na televisão o que se perdeu na História, ao regresso do velho, desalentado e triste discurso sobre a imbecilidade crónica do povo português que continua "a querer um Salazar", Portugal permanece o país da falta de auto-estima e que precisa de se ver feio ao espelho. Porque continuamos a ser assim qua- se 40 anos após a morte do ditador de Santa Comba é que permanece um mistério.

Entendamo-nos: o mal-estar em relação a tudo isto não é culpa da RTP, mas sim de um regime democrático que nunca conseguiu criar uma grelha de valores sólidos e consensuais, nomeadamente quanto ao sentido da democracia e quanto à questão nacional. A história épica ensinada pela ditadura continua a ser o molde através do qual muitos portugueses olham para o passado. A democracia não fez me- lhor do que reinventar os Descobri-mentos como base do espírito nacional. E, sobre temas tão complexos co- mo a Guerra Colonial, preferiu manter o silêncio.

Salazar está bem menos vivo do que se pensa. Para as pessoas que nasceram nos anos 1970 ou 1980, nem pertence ao passado imediato. A pouco e pouco, o ditador deixa de existir na memória de pessoas concretas e torna-se um nome abstracto, impresso entre duas datas nos livros de História. Isto vale tanto para os saudosistas do fascismo como para os discursos construídos em torno da me- mória do combate à ditadura.

O problema é que, desaparecendo esta memória da história recente, fica apenas um vazio. E o drama do nosso tempo é precisamente esse: o de ter perdido o sentido da história. E, sem esse sentido, o passado torna-se um jogo em que Cunhal, Camões, Salazar ou D. João II valem o mesmo. A Histó-ria tornou-se num mero concurso de televisão. E isso preocupa.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.





Comentários recentes

  • Anónimo

    Tem o PDF do livro?

  • Anónimo

    mais um profeta da desgraça

  • António Duarte

    Para Marinho Pinto chegar a uns 15% não precisará ...

  • António Duarte

    Fico satisfeito por ver que o rapaz ainda está viv...

  • Raposo

    O que eu gostei mais da entrevista foi de saber a ...



subscrever feeds